Quem sou eu

Minha foto
Goiânia, Goiás, Brazil
Sou uma pessoa que não consegue confiar pela metade, que acredita nas pessoas que ama mais do que elas próprias acreditam. Que ama e que espera ser amado e que nisso nunca o deixaram na mão.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Areando.


Escorregar na área de casa com só um pouco de sabão muita água e meu irmão pra me acompanhar era muito bom. Mais que isso, é lendário. As coisas que achamos que não nos fara falta quando crescermos são as que mais nos marcam. E lá estávamos nós novamente (e em terceira pessoa):

Aqueles mesmos dois garotos de sempre. O magricela branquelo espalhava sabão pela área enquanto o moreno gordinho esfregava o sabão com a vassoura. Após alguns minutos neste ritual de água, sabão e vassoura, eles tinham o resultado esperado.

    -ESPUMA, gritavam os dois enquanto se jogavam de barriga na área, esta já não mais verde depois de toda aquela esfregação.

Os dois pegavam distância da área e se jogavam em velocidade máxima, se jogavam de barriga, de peito, de ponta, de cóccix, de cabeça e acreditem, por mais inusitado que possa parecer se jogavam dando mortais, os dois. Isso era o mais impressionante até o momento, mas tudo estava para mudar.
Tudo estava maravilhoso, os giros descontrolados, as manobras inusitadas e até mesmo as batidas que eles combinavam em uma espécie de luta em que os dois se chocavam de frente um com o outro durante o rápido deslize. Mas a velocidade elevada já não agradava mais o irmão mais velho, que teve mais uma de suas ideias geniais:

    -Tira toda a roupa que agente vai voar nessa área.

E o segundo irmão não tirou, e realmente dessa vez a ideia tinha sido genial. Nunca tinha experimentado tamanha velocidade. Pena que a ideia tinha um furo, e o furo era na verdade uma fissura feita no portão, pela qual alguns dos seu amigos olhavam os dois. E o irmão mais novo, vestido e protegido só tinha a rir do primeiro irmão que estava com a lua virada para o portão no momento em que ele abriu.
Ele deve ter sentido vergonha (muita vergonha), eu não sei sou só o contador da história, mas enquanto vestia a roupa e ouvia a chacotagem de seus amigos ele já planejava uma vingança maléfica e nada limpa. Mas isso, bem... é outra história.

Um comentário:

  1. Pra variar, morri de rir. Lua virada. hahahahahahah. Como é bom ter irmãos.

    ResponderExcluir